• molafurg

Sob os olhos seus perpassam o nosso tempo> Tales Jaloretto



Prólogo “Passeava com dois amigos ao pôr do sol O céu ficou de súbito vermelho sangue Eu parei exausto e inclinei-me sobre a mureta Havia sangue, línguas de fogo sob o azul fiorde e sob a cidade Os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade E senti o grito infinito da natureza” Edvard Munch (poesia escritana moldura de uma das quatro versões de O Grito) Em tempos instáveis a defender o óbvio, no qual reordenamentos sociopolíticos constringe nosso ser sujeito nos mantendo predicados. A arte amplifica sua importância ao ser catalisadora da época, reflexiva sobre o entorno e si mesma, contudo, mantemos os olhos no passado, aos mestres de outrora. Sob os olhos seus perpassam o nosso tempo são quatro videoarteperformances, que partem da releitura das obras de Caravaggio, EdvardMunch, Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, por meio da ação performática captada pelacâmera e transposta à tela, resultando na interdisciplinaridade entre artes visuais, teatro, sonoridades, intervenção e performance.


São Jeronimo que Escreve de Caravaggio foi a obra primeira a iniciar os estudos que da pintura imagina-se um clique fotográfico, o exato instante deste registro, constrói-se os pretéritos e futuros, desloca-se para o tempo presente e faz-se a releitura, em vídeo por meio da performance, sobre assuntos atuais e urgentes que pululam nosso território, tais como: meio ambiente e poluição (O Grito); desemprego, padronização e anonimato mercadológico (Operários); desvalorização de constituições e tratados (São Jerônimoque Escreve); manipulação e fabricação de imagens (O Homem Amarelo).


a.1.1. OGrito - – 1893 - Edvard Munch (12 de dezembro de 1863 a 23 janeiro de 1944) As tintas cores verde-escuras no sujeito se misturam ao rio tom verde-poluído. O homem sente a agressão da natureza e seu grito ensurdecedor explode na tela, ele é atônito, imóvel. Não é ele quem grita, é o sujo rio. Tudo é estático, o parapeito, a margem, o sujeito, menos o rio e as plantas que gritam por vida. A plataforma vídeo possibilita aumentar e diminuir as velocidades, a correnteza do rio, mudar seu estado, torna-lo limpo. As linhas da margem seguem indiferente ao caos.


a.1.2. Operários-1933 - Tarsila doAmaral (1 de setembro 1886 a 17 de janeiro de 1973) São mais de 10 milhões de pessoas vivendo em pouco mais de 1500 quilômetros quadrados na capital paulista. O formato geométrico triangular das hierarquias e sociais da revolução industrial, ainda é o mesmo. Diversas faces, frias e cinzentas, de um mesmo rosto, ora esperançosos, ora embrutecidos, não mais de todos os lugares, pois já estão aqui amontoados. A plataforma vídeo esboça o movimento do mercado, a indústria que cresce e aumenta o quadro de funcionários, indústria retrocede e rostos somem no ar. Tarsila do Amaral é a artista que inaugura o movimento antropofágico nas artes plásticas brasileiras. Da fase social, Operários retrata a população que vem de todos os lugares do país a entrarpara o sistema pesado das fábricas.


a.1.3. São Jeronimo que Escreve-1606-Caravaggio (29 setembro 1571 |18 julho 1610) Partindo do realismo exacerbado da pintura original, no vídeo a figura se move para romper constituições, tratados e desafiar a morte. Do tenebrismo (contraste entre luz e sombra) de Caravaggio, elevamos o sujeito, destacando a prepotência e arrogância humana: da luz que paira o homem-deus. A caveira, signo da morte, tem flores para os que não a temem. A possibilidade do movimento em vídeo revela o pretérito e futuro do registro, cada fotograma unido resulta na ação, no ator em ação, na atuação do poder.


a.1.4. HomemAmarelo-1917 - Anita Malfatti (2 dezembro 1889 – 6 novembro 1964) Buscamos suas emoções e perturbações, à manipulação da imagem para um homem bem-sucedido. As novas tecnologias a favor da manipulação do mainstream e poder político, publicidade à venda de novos governantes. O vídeo possibilita aumentar a tela e sair do estado oprimido do quadro, invertendo a situação na qual o homem imprime einfluencia. Porém, no fim, ele ainda é amarelo, da figura deformada, mas respeitável.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo